Vacinas

Resolvi escrever este artigo após as notícias do retorno de doenças que haviam desaparecido no nosso País. Me sinto responsável, como profissional da saúde, em  divulgar informações seguras e baseadas em pesquisas científicas sérias, que possam tranquilizar os pais nos cuidados aos seus filhos. Como diz o ditado “prevenir é melhor do que remediar”.

Até o momento, o Brasil registrou 677 casos de sarampo e recebemos o alerta de risco de retorno da poliomielite que desde 1990 estava erradicada no Brasil, graças a vacina. Com a globalização e a facilidade de transitarmos por outros continentes, se não estivermos vacinados, podemos trazer a doença para o Brasil e transmitir para alguém que não esteja imunizada. Portanto pessoas que não estão imunizadas podem trazer doenças erradicadas e contaminar outras pessoas.

Desde 2011 observa-se a queda de cobertura vacinal, talvez o desaparecimento da doença, pode ter dado a impressão de que a vacinação seja desnecessária. Outro motivo, pode ser as Fake News, que se espalham mundialmente e que aumentou 300% os casos de sarampo na Europa, segundo a Organização Mundial da Saúde.

Vale alertar que estudos que advogam contra as vacinas, são de evidência científica fraca e alguns cientistas foram condenados por fraudes. Mas como qualquer medicamento, as vacinas podem causar efeitos adversos, no entanto, os benefícios são muito maiores do que as reações adversas.

Alguns exemplos de reações adversas:

  • BCG (protege contra tuberculose): 10%  apresentam gânglios ou abscessos na pele e axilas.
  • Penta (protege contra difteria, tétano, coqueluche, meningite, infecções graves pelo Haemophilus influenza tipo b): Geralmente entre as primeiras 48 a 72 horas que se seguem à sua aplicação, sendo o componente pertússis (coqueluche) o principal responsável por reações leves ( dor, febre, edema no local da aplicação), de resolução espontânea e desprovida de complicações ou sequelas, não constituindo contraindicações para a administração de doses subsequentes da vacina.
  • Tríplice viral (Sarampo, caxumba e rubéola): -0,1% apresentam reações locais e 1 para cada 2,5 milhões de pessoas vacinadas apresentam inflamação das meninges e associação com o autismo foi descartada.

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) alerta para os riscos do sarampo que pode causar graves problemas de saúde, como pneumonia, cegueira, inflamação do cérebro e até mesmo a morte. Por isso, é importante tomar medidas para prevenir a introdução e disseminação do vírus do sarampo. A principal delas é a vacinação da população suscetível.

Outro detalhe importante é que o calendário vacinal abrange crianças, adultos, gestantes, idosos, indígenas. Portanto toda a população pode procurar a unidade básica de saúde para se informar e receber as vacinas.

Entre os dias 6 e 31 de agosto, a Campanha de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo vai reforçar a proteção de crianças de um a menores de cinco anos contra essas doenças já eliminadas no Brasil.

Fonte:

http://bvsalud.org/

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_procedimentos_vacinacao.pdf

http://agenciabrasil.ebc.com.br

O Nascimento do Pai

Inúmeros estudos abordam as necessidades e vicissitudes da relação materno infantil, relegando ao pai um papel secundário. Contudo, também ao pai, ocorrem transformações que são percebidas com muita intensidade, desde o período da gestação até o nascimento do filho.

Felizmente ao longo dos anos este papel do pai vem sendo cada vez mais discutido, isso faz com que novas ideias componham um cenário de mudanças para o aumento da participação do pai na relação com a esposa/mãe e com o filho.

Em contrapartida às crescentes estatísticas de abandono dos pais para com suas responsabilidades frente as mães e aos filhos, também aumentam o número de pais preocupados com o desenvolvimento de seus filhos e um melhor relacionamento com suas parceiras.

Contudo a transição para a paternidade é uma tarefa que exige atenção. A partir do nascimento do bebê, os pais podem viver experiências que não estão ligadas exclusivamente ao que está ocorrendo naquele momento. A experiência de ver seu bebê nascer faz emergir afetos ligados a própria experiência de nascimento e sua relação com a mãe e o pai. Este novo pai, ao reviver esta condição através da figura do filho pode projetar na figura da mãe as necessidades e desejos que foram, outrora seus em relação a sua mãe. Desta maneira as experiências prazerosas ou aflitivas vividas pelo filho podem gerar reflexos no pai que interpreta as situações considerando suas memórias afetivas. Esta condição leva este pai a demandar da sua esposa algo que tem mais relação com sua experiência de filho do que com necessidade real do seu bebê. Por isso é de suma importância, pensar e discutir afim de elaborar suas questões, para que não venham a interferir de modo negativo nas relações familiares.

Embora muitos pais sintam-se realizados por sua participação ativa na vida dos filhos, ainda sofrem preconceitos. Em razão desta dedicação, profissionalmente podem se sentir penalizados pela demanda de tempo para o trabalho ao qual, o mercado, cada vez mais competitivo impõe. Para além disso também legalmente não são respaldados, pois são previstos tempos muito menores de licença para os pais. Urge então, pautar frente as instâncias governamentais, o aumento do tempo de licença paternidade para compor com a mãe nos cuidados para com as\os bebês.

Apesar do efeito midiático que produz discursos de rechaço para com atitudes desrespeitosas às necessidades da maternidade e do desenvolvimento do bebê, é razoável que se avaliem todas as possibilidades de acolher os medos e anseios dos futuros pais para que possam elaborar esta nova condição. Grupos onde pais podem trocar ideias, mas sobretudo afetos, contribuem muito para entender este processo de nascer do pai.

Texto escrito por: Fabian Tonin Zanotto, marido da Camila,   pai do Leonardo e da Manuela, psicólogo, entusiasta das relações humanas, interessado em marcenaria, motos e churrasqueiro de final de semana.

Convidamos para o encontro de pais

Responsável pela atividade: Fabian Tonin Zanotto

dia 09 de agosto às 19 horas

Local: Manas Loja e Espaço Coletivo. Rua : 24 de Outubro, 1681.

Mais informações: (51) 9 8405-6323 Michele

Prevenção de acidentes na infância

Os acidentes representam a principal causa de morte entre os brasileiros de 0 a 14 anos de idade. Foram 3.886 mortes e  117 mil  hospitalizações em 2015, segundo dados do Ministério da Saúde. Em nível mundial, os acidentes provocam a morte de 830 mil crianças por ano. O acidente de trânsito está em primeiro lugar nos três Estados do Sul, como causa de morte até 14 anos. Seguido de afogamento e queimaduras.

A Prevenção

Estudos americanos comprovam que 90% dos acidentes com crianças podem ser evitados e, consequentemente, toda a dor da família e os custos sociais e financeiros que isso gera para a sociedade.

São adaptações importantes para a mudança de comportamento, tais como: a adequação do ambiente de que a criança participa, escola, casa onde mora e de outros parentes; a observação e cuidado constantes à criança.

Confira algumas dicas:

Coloque o bebê para dormir com a barriga para cima evitando asfixia;

Não faça brincadeira que possa exagerar ao sacudir a cabeça da criança;

Não tape os espaços das laterais do berço;

Não deixe a criança no mesmo ambiente que as pessoas estejam fumando;

Escolha brinquedos adequados para faixa etária;

Cuide nas trocas de fralda para não deixar a criança sozinha em cima do trocador/cama;

Coloque bloqueio que impeça a passagem para cozinha, área de serviço, pátio, escadas, piscinas e banheiro;

Mantenha medicamentos e produtos de limpeza na embalagem original em armários fechados e fora do alcance das crianças.

Coloque redes de proteção nas janelas;

Em caso de intoxicação, ligar para o plantão 24 horas do CIT (centro de informações toxicológicas): 0800 721 3000 http://www.cit.rs.gov.br

Com relação ao trânsito, algumas dicas são importantes : 

– Educar com relação ao trânsito
– Atravessar a rua na faixa de segurança;
– Até 10 anos atravessar de mãos dadas com adultos;
– Nunca correr;
-Olhar para os lados e se certificar que o motorista está visualizando o pedestre;

– Não correr atrás da bola na rua;

– Não passar correndo na frente de garagens e estacionamentos.

A Resolução 277 do CONTRAN – Conselho Nacional de Trânsito regulamentou o transporte de crianças em veículos. Segundo a norma, publicada em maio de 2008, crianças de até sete anos e meio devem ser transportadas obrigatoriamente no banco traseiro e em dispositivos de retenção de acordo com a idade. Em 2010, iniciaram as ações de fiscalização por parte dos órgãos de trânsito.

Estudos americanos mostram que cadeiras de segurança para crianças, quando instaladas e usadas corretamente, diminuem os riscos de óbito em até 71%, em caso de acidente. 69% das hospitalizações. Outra informação relevante é que a probabilidade de um acidente fatal diminui entre 35% e 50% se a criança estiver no banco traseiro do veículo.

75% dos acidentes ocorrem a 30 km de casa. Somado a isso, 60% dos acidentes ocorrem em vias com limite de velocidade inferior a 70 km/h.

CURSO PREVENÇÃO DE ACIDENTES E PRIMEIROS SOCORROS NA INFÂNCIA
Atuando na área hospitalar há 18 anos, a enfermeira Michele Ferreira vai ministrar o curso de Prevenção de acidentes e primeiros socorros na infância, no dia 06 de junho, no Espaço Rachi em Porto Alegre.  Michele ressalta que é preciso prevenir os acidentes tornando o ambiente doméstico e escolar adequados para a criança.
Este curso pode ser realizado nas escolas. Entre em contato para mais informações.
Quando: 06 de junho das 19h às 22h
Local : Espaço Rachi
Rua Lagoinha, 88 – Bairro Petrópolis
Valor: R$ 75,00
Inscrições: 51 984056323
Público: Pais e familiares, profissionais que trabalham com crianças.

Sabe como a Finlândia conseguiu ter o baixo índice de morte súbita infantil?

Em 1930 a mortalidade infantil era muito grande na Finlândia e a população estava passando por uma crise financeira. O Governo começou a distribuir caixas de papelão com um fino colchão nas maternidades e esse hábito se propagou até os dias de hoje.

Com isso os índices de mortalidade infantil são os menores do mundo. Esses índices se devem ao fato do bebê não dormir na mesma cama do casal, o que é fator de risco para morte súbita, segundo a Academia Americana de Pediatria.

Outros cuidados que se deve ter é não ter objetos no interior berço, como brinquedos por exemplo. Ter colchão fino e sem travesseiro. A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda colocar o bebê para dormir de barriga para cima, evitando sufocamento, em caso de vômitos.

É possível restringir o espaço do bebê no berço com rolo de toalha de banho em formato da letra “u”, assim o bebê se sente mais seguro promovendo um sono tranquilo.

 

A Shantala auxilia no relaxamento e no sono do bebê.

Frederick Leboyer, médico obstetra francês que trouxe a técnica da massagem para o ocidente em 1970, conta que em Calcutá a mais abandonada de todas as cidades da Índia, numa bela manhã de sol, encontrou Shantala, sentada no chão, massageando seu bebê. A massagem parecia um ritual, lento e harmônico e com toque firme.  O nome Shantala, é em homenagem a mãe que estava massageando seu filho. O médico pediu permissão para fotografar os passos da massagem e publicou em seu livro.

É indicada para bebês a partir de um mês de vida, auxilia a criança a relaxar, eliminar tensões, bloqueios e insônia. Proporciona segurança e eleva auto-estima, equilibrando os sistemas energético e emocional. Também atua em disfunções orgânicas como cólica e prisão de ventre, entre outros benefícios (Nardo et al, 2014). A Shantala é uma terapia complementar simples, acessível, de baixíssimo custo para promoção e atenção em saúde, fortalecendo o vínculo mãe – bebê. Técnica inserida na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares Portaria nº 971/GM/MS, de 03 de maio de 2006, a partir das Portarias: Portaria 145, de 11 de janeiro de 2017/MS e Portaria 849, de27 de março de 2017/MS.

O ideal é realizar diariamente, após o primeiro mês de vida, antes do banho, a massagem no bebê com óleo vegetal, o tempo da massagem varia em torno de 20 a 30 minutos. É muito importante que o ambiente esteja aquecido, tranquilo e que a mãe tenha tempo para curtir esse momento com o bebê sem cuidar o relógio. O olho no olho e a interação entre os dois são fundamentais para o bebê. A técnica da massagem tem como princípio a circulação energética, o carinho, tato e o brincar. Alivia a cólicas e a agitação do bebê além de serem ideais para transmitir segurança e confiança, sentimentos que serão guardados nas suas lembranças e irá influenciar suas relações com o mundo. Quem recebe amor, aprende a retribuir com amor, se tornando adultos equilibrados e tranquilos. A massagem de origem indiana e milenar é a comemoração da vida e do amor, é uma forma da mãe transmitir ao seu filho a segurança do ventre e nutrir este ser para desenvolver-se saudavelmente seu corpo físico, mental e emocional. O toque na pele é a primeira comunicação com o mundo. As mães na Índia acreditam que para o bebê, ser acariciado, massageado, amado, é tão importante quanto ser amamentado. Esse aprendizado é passado de mãe para filho (a).

Benefícios da Shantala para o bebê:

– Fortalece o sistema imunológico;

– Alivia tensões e ansiedade;

– Desenvolvimento motor e emocional;

– Reforço do vínculo e da segurança;

– Ajuda no crescimento de relações saudáveis;

-Promove sono tranquilo e alívio das cólicas;

– Aumenta a percepção corporal, relaxamento e prazer.

Abraço,

Enf. Michele Ferreira

Consultoria na amamentação e sono do bebê

 

Como criar um leitor?

As crianças não nascem leitores. Criam o hábito a partir da oportunidade de brincar com os livros, enquanto não são alfabetizadas. E aprendem, na convivência com os pais, que leem as histórias para que possam mergulhar nas aventuras dos super-heróis, criando suas próprias fantasias.

O ato de ler com o filho cria laços muito especiais entre ambas as partes. E quando a criança vai para a escola é importante que os educadores incentivem a leitura, porque eles também são responsáveis por criarem leitores.

Os benefícios são inúmeros e para a vida toda. Além de escrever melhor, amplia o vocabulário, estimula a memória, a criatividade e o senso crítico. Desenvolve a habilidade de escuta e ajuda a relacionar-se melhor com as pessoas, além de ser um momento de diversão e prazer para ela.

Hoje em dia, parece que o interesse pela leitura tem aumentado por parte das crianças. As editoras de livros infantis não só aumentaram a quantidade de produtos como também melhoraram sua qualidade.

Como criar o hábito da leitura?

Especialistas indicam que mesmo antes de iniciar o processo de alfabetização, os pais devem procurar saber quais as histórias que agradam as crianças ? E ter o hábito de ler para elas – ter livros de plástico para a hora do banho, livros para pintar, perguntar sobre a história e o que ela gostou para estimular a interpretação e a memória.

Comece com livros mais ilustrativos e tenha livros à disposição, assim como brinquedos.

Paulo Freire afirmava que “não é o discurso que ajuíza a prática, mas a prática que ajuíza o discurso”. Portanto, um dos principais estímulos é ler para seus filhos. A leitura é tão importante, que “receitar livros” se tornou uma recomendação médica no exterior e no Brasil.

Estudos científicos comprovam que ler para as crianças em voz alta, ativa regiões do lado esquerdo do cérebro associadas, entre outras coisas, à compreensão narrativa. A pesquisa quantificou, por meio de ressonância magnética funcional, os efeitos da leitura sobre a atividade cerebral de 19 crianças de 3 a 5 anos de idade. Crianças cujos pais reportaram ler mais para seus filhos e ter mais livros em casa, apresentaram uma ativação significativamente maior de áreas do hemisfério esquerdo do cérebro. Estimular o hábito da leitura cria condições para que as crianças tenham um desenvolvimento saudável, tornando–se pessoas criativas e críticas.

Dia Mundial da conscientização do Autismo

Dia 02 de abril é considerado pela ONU como o dia Mundial da Conscientização do Autismo. No Brasil são cerca de 2 milhões de autistas e desses, 95% estão completamente desassistidos, o diagnóstico nem sempre é fácil e a falta de profissionais, escolas e sociedade preparados para lidar com o transtorno, podem ser uma barreira para as famílias.

O tratamento adequado pressupõe o acompanhamento de uma equipe multidisciplinar, acompanhamento da família e inclusão social. As crianças aprendem por imitação e observação dos adultos, nas crianças com autismo isso fica comprometido, pois a ausência do contato visual e a observação do outro fica prejudicado, ocasionando a dificuldade de lidar com as emoções e um simples “não” pode desencadear crises como choros e agressões. Isso exige dos pais ajudá-los a entender as emoções e a tolerá-las.

O movimento pela inclusão social e a valorização da diversidade ganha força no amparo das leis e na publicidade que conscientiza de que todas as crianças têm o mesmo direito básico de amor, acolhimento, escolas e meios de superar as dificuldades.

Abraço!

Michele Ferreira